Dia do Brincar

Dia do Brincar no Hospital do GRAACC: a importância do lúdico no tratamento oncológico pediátrico

As crianças e os adolescentes que recebem o diagnóstico de câncer têm seu cotidiano profundamente alterado. Longos períodos no hospital para consultas, exames e procedimentos, mal-estar físico e queda de cabelos podem fazer parte dessa mudança. Para reduzir o impacto da doença e do tratamento, o Hospital do GRAACC investe constantemente para ações, espaços e parcerias que possam contribuir para tornar o ambiente hospitalar mais acolhedor.

Por essa razão, foi pioneiro ao instalar a Brinquedoteca Terapêutica Senninha, ainda em 1998, inspirando política pública: inspirada pela iniciativa, a Lei 11.204, de 21 de março de 2005, estabeleceu a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde que oferecem atendimento pediátrico em regime de internação em todo o país.

No tratamento oncológico pediátrico, o lúdico tem papel fundamental para diminuir a tensão e auxiliar na qualidade de vida dos pacientes, contribuindo para a aderência e a adesão ao tratamento. O espaço da Brinquedoteca é utilizado como uma sala de espera, mas também é espaço onde podem atuar profissionais como psicólogos, terapeutas ocupacionais e professores da Escola Móvel (atendimento individual que segue a grade curricular da escola de origem da criança), além dos parceiros de humanização do hospital.

Conheça algumas das atividades que fazem parte do programa de humanização do Hospital do GRAACC:

Projeto Alegria Virtual: desenvolvido pela Agência Casa Mais, apresenta vídeos em 360 graus por meio dos óculos de realidade virtual, transformando o espaço de tratamento em um ambiente mais acolhedor, lúdico e divertido.

Dedobol: O dedobol é o esporte mais praticado na brinquedoteca do GRAACC. Há cinco anos, o voluntário Francisco frequenta o hospital toda terça e sexta-feira para praticar o dedobol com os pacientes. O dedobol é uma base de madeira com pregos para se jogar futebol com os dedos, o próprio Francisco que fez o campo. Além disso, existe um ranking onde é anotada todas as partidas, jogadores e campeões. Os jogadores também são premiados.

Heróis do Bem: É um grupo de voluntários e amigos que buscam, através da fantasia e da magia levar a alegria e o amor às crianças. Os heróis do bem são voluntários do GRAACC e frequentam o hospital todo mês.

Arte e Despertar: É uma organização social sem fins lucrativos, que atua nas áreas de saúde e educação com o objetivo de levar artes plásticas e despertar o que há de melhor no ser humano. Essas ações acontecem por meio de projetos sociais e prestação de serviços em instituições de saúde, espaços educativos e culturais da cidade de São Paulo.

Operação Arco-Íris: É uma instituição sem fins lucrativos que realiza trabalho voluntário em hospitais utilizando a técnica do palhaço. Os voluntários da Operação Arco-Íris acreditam na solidariedade como uma resposta de cidadania à realidade em que estamos inseridos. Eles creem no crescimento de suas qualidades como indivíduos e na atribuição de significado a pequenos gestos, a um sorriso espontâneo ou ao olhar sincero de uma criança.

Cia. Dos Clownaticos – É uma organização sem fins lucrativos que trabalha com duas vertentes: a Artística e a do Desenvolvimento Humano. O objetivo é o desenvolvimento, o aprendizado e o aperfeiçoamento artístico, solidário e humanitário de seus voluntários e, principalmente, de seus assistidos.

Projeto Foto Cultura para Todos – oferece aulas de fotografia para os pacientes, emprestando câmeras profissionais para a prática na Brinquedoteca.

 

Atividades lúdicas em outras áreas do Hospital do GRAACC:

Carrinho elétrico: Novidade no Hospital do GRAACC, um carrinho elétrico conduz os pacientes para o Centro Cirúrgico ou para a Radioterapia. A humanizaçãodo transporte das crianças é uma maneira de promover alegria e reduzir ansiedade antes dos procedimentos.

Reabiliteca: O setor conta com médica fisiatra, fonoaudiólogos, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais especializados no atendimento de pacientes oncológicos infantojuvenis com sequelas ortopédicas (também pacientes pós-operatórios e com próteses) e neurológicas. Os profissionais utilizam brincadeiras, como quebra-cabeças, balanços, brinquedos de montar e tablets para desenvolver as terapias convencionais.

– Gameterapia: A técnica é utilizada há dez anos para a fisioterapia (na área da Reabiliteca) no Hospital do GRAACC e é aplicada a pacientes a partir dos cinco anos de idade. Com equipamentos de X-Box, Nintendo Wii e plataforma Wii Fit, as fisioterapeutas utilizam a técnica no tratamento oncológico para propriocepção, equilíbrio, coordenação, condicionamento físico e como forma lúdica. Além disso, a gameterapia facilita o feedback visual para paciente e terapeuta (ex: plataforma wii-fit) e ajuda na adesão à terapia convencional e como complemento à mesma.

Quimioteca: O tratamento quimioterápico é realizado na Quimioteca, um espaço desenvolvido para garantir o conforto e bem-estar dos pacientes durante a aplicação dos medicamentos. Para tornar o ambiente ainda mais humanizado, voluntários promovem contação de histórias, jogos, atividades terapêuticas, apresentação de músicas, entre outras atividades.

Radioterapia: A Radioterapia de Intensidade Modulada do Hospital do GRAACC está equipada com alta tecnologia, proporcionando mais segurança ao paciente e maior rapidez e precisão na irradiação local do tumor. Durante as sessões, a criança ou o adolescente precisa ficar sozinho e imóvel dentro da sala. Para deixar o paciente mais animado e seguro, a equipe multiprofissional oferece diversas ações de humanização, como tocar as músicas de que ele mais gosta, colocar um boneco de neve para caracterizar o espaço, dar um certificado de coragem para quem finaliza as sessões, personalizar as máscaras utilizadas nas sessões e permitir que a criança “realize os procedimentos” em bonecas, etc.

Ring the bell: O Hospital do GRAACC se uniu ao projeto Ring the Bell e conta com um sino na recepção de sua radioterapia para celebrar términos de ciclos de tratamento dos pacientes. A ação faz parte do programa de humanização do atendimento hospitalar do GRAACC e incentiva a celebração do fim de cada ciclo de quimioterapia ou radioterapia superado e motivando os demais pacientes a persistirem no tratamento. O badalar do sino simboliza as vitórias no processo de tratamento e acontece em uma cerimônia que poderá ter familiares e amigos como convidados.