Linfoma Não Hodgkin - Diagnóstico

  • O linfoma não Hodgkin em crianças é raro e não existem exames de rastreamento indicados para a detecção da doença em crianças assintomáticas. Entretanto, alguns casos de linfoma não Hodgkin podem ser diagnosticados precocemente.A melhor maneira de diagnosticar o linfoma cedo é estar ciente dos possíveis sinais e sintomas da doença e levar seu filho ao médico se perceber algo relacionado ao linfoma.

    A realização de exames médicos regulares é importante para as crianças, especialmente para aquelas com fatores de risco conhecidos para o linfoma não Hodgkin, como aquelas que têm determinadas deficiências imunológicas hereditárias, ou que fizeram tratamento para outro tipo de câncer, ou um transplante de órgão, ou que têm uma infecção por HIV. Essas crianças geralmente não desenvolvem o linfoma não Hodgkin, mas é importante que os pais e os médicos conheçam os possíveis sinais e sintomas da doença.

    Biópsias

    Muitos dos sintomas do linfoma não Hodgkin não são suficientemente específicos para afirmar com certeza o diagnóstico. A maioria dos sintomas pode também ser causada por outras doenças não cancerosas, como infecções, ou mesmo por outros tipos de cânceres. Os principais tipos de linfoma não Hodgkin em crianças podem causar muitos dos mesmos sintomas, mas eles exigem tratamentos ligeiramente diferentes, por isso é importante diferenciá-los.

    A biópsia é um procedimento no qual uma amostra de tecido é removida e encaminhada para análise de um patologista. Para a maioria dos tipos de câncer, a biópsia é necessária para diagnosticar a doença.

     

    Tipos de Biópsias

  • Biópsia Excisional ou Incisional. Este é o tipo mais comum de biópsia, quando existe uma suspeita de linfoma. Neste procedimento, o cirurgião faz uma incisão na pele e remove todo o linfonodo (biópsia excisional) ou apenas uma pequena parte do tecido (incisional). Se o linfonodo está localizado na superfície da pele, o procedimento é simples, e pode ser realizado sob anestesia local, mas se estiver em planos mais profundos será necessária anestesia geral. Este método fornece material suficiente para diagnosticar o tipo exato do linfoma não Hodgkin.
  • Aspiração por Agulha Fina (PAAF) e Core Biopsy. Na PAAF o médico utiliza uma agulha fina e uma seringa para aspirar uma pequena quantidade de tecido a partir de linfonodo ou massa tumoral. Na core biopsy o médico utiliza uma agulha de calibre maior para remover uma amostra um pouco maior de tecido. A principal desvantagem das biópsias por agulha é que, em alguns casos, não se remove uma amostra suficiente para fazer um diagnóstico definitivo.Se o tumor estiver localizado em planos profundos, o médico guiará e orientará a posição da agulha com o auxílio de tomografia computadorizada ou ultrassom.

    Uma biópsia por agulha não requer cirurgia, mas em alguns casos, pode não remover material suficiente para um diagnóstico definitivo. A maioria dos médicos não realizam biópsias por agulha para diagnosticar um linfoma, mas se ele suspeitar que o aumento de tamanho do linfonodo é causado por uma infecção ou pela disseminação do câncer a partir de outro órgão (como mama, pulmões, ou tireoide), a biópsia por agulha será o primeiro procedimento a ser realizado. Uma biópsia pode ser ainda necessária para diagnosticar e classificar o linfoma, mesmo após a realização da biópsia de agulha.

    Uma vez diagnosticado o linfoma, as biópsias por agulha podem ainda serem necessárias​​para verificar lesões em outras partes do corpo aos que o linfoma possa ter se disseminado ou mesmo recidivado após o tratamento.

    Outros Tipos de Biópsias

    Estes procedimentos não são normalmente realizados para diagnosticar o linfoma, mas também podem ser realizados para determinar o estadiamento de um linfoma que já foi diagnosticado.

  • Aspiração da Medula Óssea e Biópsia. Estes procedimentos são muitas vezes realizados após o diagnóstico do linfoma, para determinar se a medula óssea foi atingida. Estes dois procedimentos são muitas vezes feitos ao mesmo tempo, as amostras são geralmente colhidas no osso da pelve, embora em alguns casos, possam ser colhidas a partir do esterno ou outros ossos. A biópsia de medula óssea é geralmente feita logo após a aspiração, onde um pequeno pedaço de osso e medula é removido com uma agulha ligeiramente maior.
  • Punção Lombar. Este exame procura por células de linfoma no líquido cefalorraquidiano (LCR), que banha o cérebro e a medula espinhal. Neste procedimento, o médico, após anestesiar uma área na parte inferior da coluna vertebral, insere uma agulha entre os ossos da parte inferior da coluna para retirar uma pequena quantidade do líquido. Em crianças já diagnosticadas com linfoma, a punção lombar pode também ser realizada para administrar medicamentos quimioterápicos no líquido cefalorraquidiano para tentar evitar ou tratar a disseminação do linfoma para a medula espinhal e cérebro.
  • Coleta de Líquido Pleural ou Peritoneal. A disseminação do linfoma no tórax ou abdome pode levar ao acúmulo de líquido pleural ou líquido peritoneal respectivamente,  e que deve ser retirado com o auxílio de uma agulha. Quando este procedimento é feito no tórax é chamado toracocentese, quando é realizado no abdome é denominado paracentese.