Linfoma Não Hodgkin - Exames para o Diagnóstico

    • Todas as amostras removidas durante a biópsia são analisadas por um patologista, médico especializado na avaliação de células, tecidos e órgãos para diagnosticar uma doença. Se células cancerosas estão presentes, o patologista determinará o tipo de linfoma a que corresponde. Os principais exames realizados nas amostras são:
    • ImunohistoquímicaNeste exame, uma parte da amostra de biópsia é tratada com anticorpos especiais que se ligam a moléculas específicas apenas na superfície da célula. Estes anticorpos causam alterações de cor, que podem ser vistas sob um microscópio. Este teste pode ser útil para distinguir os diferentes tipos de linfoma um do outro, assim como de outras doenças.
    • Citometria de FluxoAssim como o exame imunohistoquímico, este exame analisa certas substâncias da superfície externa das células para identificar os tipos de células.

      Neste procedimento, uma amostra de células é tratada com anticorpos especiais que se aderem às células apenas se certas substâncias estão presentes em suas superfícies.

      Este teste é mais comumente usado para imunofenotipagem (classificação de células de linfoma de acordo com os antígenos presentes em sua superfície). Diferentes tipos de linfócitos têm antígenos diferentes em sua superfície.

      A citometria de fluxo determina se o linfonodo está aumentado por causa do linfoma, de outro tipo de câncer ou uma doença não maligna. Este exame é muito útil para ajudar os médicos a determinar o tipo exato de linfoma de modo que eles possam determinar o melhor tratamento.

    • CitogenéticaEsta técnica permite a avaliação dos cromossomos nas células do linfoma. Algumas células de linfoma podem ter cromossomos a menos, em excesso ou outras anormalidades cromossômicas, que podem ajudar a identificar o tipo de linfoma.
    • Testes Genéticos MolecularesEstes exames analisam o DNA das células do linfoma, permitindo a detecção da maioria das alterações visíveis nos testes citogenéticos, bem como outras não visíveis.

      Hibridização Fluorescente In Situ (FISH). FISH é semelhante ao exame citogenético, utilizando corantes fluorescentes especiais que só se ligam a partes específicas dos cromossomos. O exame FISH pode detectar a maioria das alterações cromossômicas (como translocações), bem como algumas alterações muito pequenas que não são visualizadas na citogenética normal.

      Reação em Cadeia da Polimerase. A reação em cadeia da polimerase é um exame de DNA muito sensível, que pode detectar alterações mínimas no cromossomo. Este exame também pode detectar certos genes que foram ativados e estão contribuindo para o crescimento das células anormais do linfoma.


      Exames de Sangue

      Os exames de sangue determinam as quantidades de certos tipos de células e substâncias químicas presentes no sangue. Eles não são usados para diagnosticar o linfoma, mas às vezes podem ajudar no estadiamento do linfoma.

      Em crianças já diagnosticadas com linfoma, a baixa contagem das células sanguíneas pode significar que o linfoma está crescendo na medula óssea e que já está afetando a formação de novas células de sangue.

      Outros exames de sangue podem ajudar na detecção de problemas no fígado ou rins provocados​​pela disseminação do linfoma ou dos efeitos colaterais de certos medicamentos utilizados durante a quimioterapia.

      Para alguns tipos de linfoma, o médico pode solicitar outros exames de sangue para verificar se o paciente foi infectado com determinados vírus, como o vírus da hepatite B (HBV), vírus Epstein-Barr ou vírus da imunodeficiência humana (HIV), uma vez que as infecções com esses vírus podem afetar o tratamento.

    Exames de imagem

    Os principais exames utilizados para o diagnóstico ou estadiamento do linfoma não Hodgkin são:

    • Radiografia de TóraxEste exame é realizado para verificar a presença de linfonodos aumentados nessa região. O exame de Raios X de tórax também pode determinar a existência de doença cardíaca ou pulmonar.
    • Tomografia ComputadorizadaA tomografia computadorizada é uma técnica de diagnóstico por imagem que utiliza a radiação X para visualizar pequenas fatias de regiões do corpo, por meio da rotação do tubo emissor de Raios X ao redor do paciente. O equipamento possui uma mesa de exames onde o paciente fica deitado para a realização do exame. Esta mesa desliza para o interior do equipamento, que é aberto, não gerando a sensação de claustrofobia.

      Alguns exames de tomografia são realizados em duas etapas: sem e com contraste. A administração intravenosa do contraste é realizada quando se deseja observar mais claramente certos detalhes, tornando o diagnóstico mais preciso.

      Muitas vezes a tomografia é utilizada para guiar com precisão o posicionamento de uma agulha de biópsia em uma área suspeita de ter uma lesão cancerígena.

    • UltrassomAo contrário da maioria dos exames de diagnóstico por imagem, a ultrassonografia é uma técnica que não emprega radiação ionizante para a formação da imagem. Ela utiliza ondas sonoras de frequência acima do limite audível para o ser humano, que produzem imagens em tempo real de órgãos, tecidos e fluxo sanguíneo do corpo.

      O ultrassom pode ajudar a avaliar os linfonodos próximos à superfície do corpo, os gânglios linfáticos aumentados no abdome, ou órgãos como o fígado e o baço.

    • Ressonância Magnética

    A ressonância magnética é um método de diagnóstico por imagem, que utiliza ondas eletromagnéticas para a formação das imagens. Este exame, além de permitir uma avaliação dos órgãos internos, sem a utilização de raios X, também proporciona uma visão mais abrangente da região examinada.

    Entretanto, não é um procedimento utilizado com tanta frequência como a tomografia computadorizada para o linfoma, a menos que o médico esteja preocupado com a disseminação da doença para a medula ou cérebro.