Sarcomas de Partes Moles - Diagnóstico

  • Atualmente, não existem exames de rastreamento para o rabdomiossarcoma.Entretanto, o rabdomiossarcoma muitas vezes provoca sintomas que permite que seja diagnosticado antes que esteja disseminado para outros órgãos. Por exemplo, os tumores pequenos que começam nos músculos da parte posterior do olho fazem com que o olho seja um pouco protuberante. Os tumores da cavidade nasal frequentemente provocam congestão nasal, hemorragias nasais ou presença de sangue no muco. Quando são formadas pequenas protuberâncias na superfície do corpo, muitas vezes, as próprias crianças ou seus pais podem vê-las ou senti-las.

    Muitos casos de rabdomiossarcoma começam na bexiga ou outras partes do trato urinário, provocando problemas para esvaziar a bexiga ou sangue na urina. Os tumores que começam na região dos testículos dos meninos podem provocar inchaço indolor, que muitas vezes é notado pelos pais. Nas meninas o rabdomiossarcoma na região da vagina pode provocar hemorragia ou corrimento vaginal.

    Pode ser mais difícil identificar tumores nos braços, pernas e tronco de crianças mais velhas, porque muitas vezes elas apresentam dor ou lesões após provocadas por brincadeiras infantis ou atividades esportivas.

    Existem muitas outras causas devido aos sintomas mencionados acima, e a maioria delas não são significativas, mas é importante sempre verificar a causa com um médico. Isso inclui que o médico examine seu filho para qualquer dor, inchaço ou nódulos que cresçam rapidamente ou que não desapareçam após uma semana.

    Cerca de 30% destes cânceres são diagnosticados precocemente, podendo ser completamente removidos com tratamento cirúrgico. Mas mesmo quando isso acontece, tumores pequenos, que não são visualizados, sentidos e nem diagnosticados por exames de imagem, já poderiam estar disseminados, razão pela qual outros tratamentos são necessários.

    Famílias com problemas de doenças hereditárias conhecidas que aumentam o risco do rabdomiossarcoma ou que têm vários membros da família com câncer, em especial câncer infantil, devem conversar com seu médico sobre a necessidade de realizarem exames com mais frequência.

    Biopsia

    As amostras retiradas durante uma biópsia são enviadas para análise em um laboratório de patologia. O objetivo do exame anatomopatológico é a obtenção do diagnóstico, por meio da análise das alterações teciduais presentes nas amostras coletadas, retiradas na biópsia ou na cirurgia.

    Na maioria das vezes, esse diagnóstico é definitivo, entretanto, em algumas situações, não é possível um diagnóstico conclusivo. As causas mais comuns são a falta de representatividade do material, por exemplo, quando a biópsia retira tecido das imediações e não da lesão principal, os aspectos morfológicos podem excluir alguns diagnósticos, mas não concluir, tornando-se fundamental a correlação clínica e com os exames de imagem para obtenção do diagnóstico.

    Os patologistas podem colorir partes da amostra para identificar o tipo de tumor. O produto usado para dar tons na amostra contém anticorpos específicos para o rabdomiossarcoma. A coloração obtida pode ser visualizada sob um microscópio, permitindo que o patologista identifique o tipo de tumor.

    Se o diagnóstico de rabdomiossarcoma é confirmado, o patologista ainda realizará mais alguns testes para determinar o tipo do rabdomiossarcoma. Isto é importante para definir o tipo de tratamento a ser realizado. Por exemplo, o rabdomiossarcoma alveolar, que tende a ser mais agressivo, normalmente requer tratamento mais intenso do que o rabdomiossarcoma embrionário.

    Exames laboratoriais

    Os exames de sangue não podem ser usados para diagnosticar o rabdomiossarcoma. Mas alguns exames de sangue podem ser úteis após o diagnóstico.

    O hemograma completo determina os níveis dos glóbulos brancos, dos glóbulos vermelhos e das plaquetas no sangue. Se o resultado do hemograma estiver alterado no momento do diagnóstico, pode significar que a doença se disseminou para a medula óssea, onde essas células sanguíneas são produzidas.

    Os exames de sangue padrões são realizados com frequência para verificar o estado geral de saúde da criança antes do tratamento (em especial antes da cirurgia) e durante o tratamento (como a quimioterapia) para verificar e procurar possíveis problemas ou efeitos colaterais. Esses exames incluem frequentemente o hemograma para monitorar a função da medula óssea e exames bioquímicos sanguíneos para avaliar o funcionamentos do fígado e dos rins.

    Exames de imagem

    Os exames de imagem ajudam a localizar a lesão e são extremamente úteis para determinar a extensão da doença o que se denomina estadiamento do câncer. Os principais exames utilizados para o diagnóstico ou estadiamento do rabdomiossarcoma são:

    • Radiografia de TóraxO exame de Raios X é um procedimento de imagem para avaliar o corpo humano, que cria uma imagem das estruturas internas do corpo, utilizando uma pequena quantidade de radiação.
      A radiografia de tórax é utilizada para detectar a presença de alguma imagem suspeita de tumor em algum dos pulmões.
    • Tomografia ComputadorizadaA tomografia computadorizada é uma técnica de diagnóstico por imagem que utiliza a radiação X para visualizar pequenas fatias de regiões do corpo, por meio da rotação do tubo emissor de Raios X ao redor do paciente. O equipamento possui uma mesa de exames onde o paciente fica deitado para a realização do exame. Esta mesa desliza para o interior do equipamento, que é aberto, não gerando a sensação de claustrofobia.

      Alguns exames de tomografia são realizados em duas etapas: sem e com contraste. A administração intravenosa de contraste deve ser realizada quando se deseja delinear melhor as estruturas do corpo, tornando o diagnóstico mais preciso.

      Muitas vezes a tomografia computadorizada é utilizada para guiar precisamente o posicionamento de uma agulha de biópsia em uma área suspeita de câncer.

    • Ressonância MagnéticaA ressonância magnética é um método de diagnóstico por imagem, que utiliza ondas eletromagnéticas para a formação das imagens. A ressonância magnética produz imagens que permitem determinar o tamanho e a localização do rabdomiossarcoma, bem como a presença de metástases.

      Assim como na tomografia, também pode ser usado um contraste via intravenosa para a obtenção de maiores detalhes do corpo.

    • Cintilografia Óssea

    A cintilografia óssea é uma forma de diagnóstico por imagem que avalia funcionalmente os órgãos e não apenas sua morfologia.

    Para a realização do exame é administrado ao paciente uma injeção intravenosa do radiofármaco 99mTc-MDP (tecnécio), que após algumas horas é atraído pelo tecido ósseo com doença. Para registrar as áreas de captação do material radioativo é utilizada uma câmera especial, que detecta a radioatividade e cria uma imagem do esqueleto. A captação óssea nas imagens é proporcional à atividade metabólica no osso, se devendo principalmente à adsorção do radiofármaco. A cintilografia pode detectar variações de até 5% no metabolismo ósseo, geralmente precedendo as alterações radiológicas, oferecendo alta sensibilidade e baixa dose de radiação mesmo na varredura de todo o esqueleto.

    As áreas de dano ósseo aparecem como pontos escuros na imagem do esqueleto. Esses pontos podem sugerir a presença de câncer metastático. No entanto, outras doenças, como por exemplo, a artrite apresenta o mesmo padrão de imagem. Para diferenciar o resultado de outras doenças são solicitados exames adicionais de imagem, como radiografias simples, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

    A injeção do material radioativo é a única parte desconfortável desse exame. O material radioativo é eliminado pela urina e a quantidade de radioatividade utilizada é baixa, não oferendo risco para você ou às pessoas próximas.

    Este exame só é realizado se o paciente apresenta dores ósseas que possam ser causadas por uma infecção nos ossos ou metástases de outros órgãos aos ossos.

    • Ultrassom

    Ao contrário da maioria dos exames de diagnóstico por imagem, a ultrassonografia é uma técnica que não emprega radiação ionizante para a formação da imagem. Ela utiliza ondas sonoras de frequência acima do limite audível para o ser humano, que produzem imagens em tempo real de órgãos, tecidos e fluxo sanguíneo do corpo.

    Muitas vezes o ultrassom é utilizado para guiar precisamente o posicionamento de uma agulha de biópsia em um nódulo suspeito de câncer.