Tumor de Wilms - Diagnóstico

Os tumores de Wilms geralmente são diagnosticados quando começam a provocar sintomas como inchaço abdominal. Em algumas crianças, podem ser diagnosticados mais cedo em exames, como ultrassom do abdome. Mas, como os tumores de Wilms são raros, não é usual realizar ultrassom como exame de rastreamento em pessoas assintomáticas e que não pertencem a um grupo de risco para a doença. Atualmente, não existem exames de sangue ou outros testes que sejam úteis para o rastreamento de tumores de Wilms em crianças.

Por outro lado, o rastreamento do tumor de Wilms é importante para as crianças com síndromes ou defeitos congênitos relacionados à doença. Para essas crianças, a maioria dos médicos recomenda consultas e ultrassons regulares, por exemplo, a cada 3 ou 4 meses, pelo menos até os 8 anos de idade, para diagnosticar tumores renais ainda em estágio inicial e que não tenham se disseminado para outros órgãos.

O tumor de Wilms também pode ser hereditário, embora isso seja raro. Converse com seu médico se tiver algum parente que tenha tido tumor de Wilms. Se um familiar sabidamente tem uma mutação do gene WT1, testes devem ser feitos para verificar a possibilidade da transmissão da mutação para seus filhos. Esse teste pode ser feito antes do nascimento da criança.

Biopsia

Na maioria das vezes, os exames de imagem podem fornecer informação suficiente para definir se uma criança tem (ou não) um tumor de Wilms, e, portanto, realizar tratamento cirúrgico. Mas o diagnóstico de certeza de tumor de Wilms é feito quando uma amostra do tumor é removida e analisada por um patologista. As células dos tumores de Wilms têm uma aparência característica, quando observadas sob o microscópio. É no estudo anatomopatológico que se determina a histologia do tumor de Wilms (histologia favorável ou desfavorável).

Na maioria dos casos, a amostra é obtida durante a cirurgia para tratar o tumor. Em algumas circunstâncias quando os médicos não tem certeza do diagnóstico ou se não se tem certeza que o tumor possa ser retirado completamente, uma amostra maior do tumor pode ser obtida durante uma biópsia. A biopsia pode ser realizada cirurgicamente ou por agulha.

Exames de Laboratório
Os exames de laboratório podem ser realizados para estudar amostras de urina e sangue, em caso de existir suspeita de um problema renal, mas também podem ser feitos após o diagnóstico da doença.

O exame de urina é realizado para verificar a presença de sangue e/ou outras substâncias na urina, o que é um indicativo de problemas com os rins. A urina pode também ser analisada para determinar a presença de substâncias denominadas catecolaminas. Isto é feito para garantir que a criança não tem outro tipo de tumor denominado neuroblastoma.

Exames de Imagem

Os principais exames utilizados para o diagnóstico ou estadiamento do tumor de Wilms são:

  • UltrassomAo contrário da maioria dos exames de diagnóstico por imagem, a ultrassonografia é uma técnica que não emprega radiação ionizante para a formação da imagem. Ela utiliza ondas sonoras de frequência acima do limite audível para o ser humano, que produzem imagens em tempo real de órgãos, tecidos e fluxo sanguíneo do corpo.

    Geralmente, o ultrassom é o primeiro exame solicitado se o médico suspeitar que seu filho tenha um tumor de Wilms, por não usar radiação e fornecer uma boa visão dos rins e outros órgãos do abdome.

  • Tomografia ComputadorizadaA tomografia computadorizada é uma técnica de diagnóstico por imagens que utiliza a radiação X para visualizar pequenas fatias de regiões do corpo, por meio da rotação do tubo emissor de Raios X ao redor do paciente. O equipamento possui uma mesa de exames onde a criança fica deitada para a realização do exame. Esta mesa desliza para o interior do equipamento, que é aberto, não gerando a sensação de claustrofobia.

    Alguns exames de tomografia são realizados em duas etapas: sem e com contraste. A administração intravenosa do contraste é realizada quando se deseja observar mais claramente certos detalhes, tornando o diagnóstico mais preciso.

    Muitas vezes a tomografia é utilizada para guiar com precisão o posicionamento de uma agulha de biópsia em uma área suspeita de ter uma lesão cancerígena.

  • Ressonância MagnéticaA ressonância magnética é um método de diagnóstico por imagem, que utiliza ondas eletromagnéticas para a formação das imagens. Este exame, além de permitir uma avaliação dos órgãos internos, sem a utilização de raios X, também proporciona uma visão mais abrangente da região examinada.

    Assim como na tomografia, também pode ser usado um contraste via intravenosa para a obtenção de maiores detalhes do corpo.

  • Radiografia de TóraxEste exame é realizado para verificar a disseminação da doença para os pulmões. O exame de Raios X de tórax também pode determinar a existência de doença cardíaca ou pulmonar.
  • Cintilografia Óssea

A cintilografia óssea consiste na injeção de uma pequena quantidade de material radioativo na veia do paciente, após algumas horas esse material é atraído pelo tecido ósseo com doença. Para registrar as áreas de captação do material radioativo é utilizada uma câmera especial, que detecta a radioatividade e cria uma imagem do esqueleto.
As áreas de dano ósseo aparecem como pontos escuros na imagem do esqueleto. Esses pontos podem sugerir a presença de câncer metastático. No entanto, outras doenças, como por exemplo, a artrite apresenta o mesmo padrão de imagem. Para diferenciar o resultado de outras doenças são solicitados exames adicionais de imagem, como radiografias simples, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

A injeção do material radioativo é a única parte desconfortável desse exame. O material radioativo é eliminado pela urina e a quantidade de radioatividade utilizada é baixa, não oferendo risco para você ou às pessoas próximas.

Este exame só é realizado se o paciente apresenta dores ósseas ou tem resultados de exames de sangue que sugerem que o tumor de Wilms possa ter atingido os ossos.