Nossa infectologista alerta para a queda da cobertura vacinal em crianças e adolescentes.

Tendência vem sendo observada há alguns anos e foi agravada com a chegada da pandemia; por conta da queda da cobertura vacinal em crianças e adolescentes, entre os dias 1º e 29 de outubro, o Governo de São Paulo e o Centro de Vigilância Epidemiológica (CVE) participarão da Campanha Nacional de Multivacinação para Atualização da Caderneta de Vacinação da Criança e do Adolescente

Um recente documento divulgado pelo Ministério da Saúde revelou que a cobertura vacinal no Brasil está baixa com níveis semelhantes aos que eram observados há 40 anos. Esse retrocesso é devido a uma série de fatores, mas principalmente à desinformação e falta de acesso. A percepção errada de que algumas doenças não são mais perigosas como antigamente leva o indivíduo à falsa sensação de segurança. A pandemia agravou isso e dificultou ainda mais o acesso aos postos e manteve as pessoas dentro da sua casa.

“Esse quadro já vem sendo observado há alguns anos e a chegada da pandemia agravou ainda mais a situação. Essa era uma grande preocupação dos infectologistas, pois uma cobertura vacinal baixa permite que a circulação dos vírus responsáveis pelas diversas doenças existentes aumente. Isso fica ainda mais delicado no cenário atual, com a pandemia de SARS-CoV-2 infectando também crianças e adolescentes”, comenta a Dra. Fabianne Carlesse, nossa infectologista, referência em casos de alta complexidade do câncer infantojuvenil.

Dados do Ministério da Saúde apontam que, de 2015 a 2020, a vacina BCG, que previne formas graves de tuberculose, passou de 105,08% de taxa de imunização para 73,78%. Outra doença grave como a paralisia infantil também teve queda na sua cobertura: em 2015 era de 98% e, em 2020, baixou para 76%.

“A cobertura vacinal alta permite que essas doenças não circulem e se propaguem. Para pacientes imunossuprimidos, em quem a imunidade é muito baixa, por exemplo, dependendo do quadro clínico, a vacina não deve ser aplicada, mas quando o entorno está vacinado, como familiares e amigos, os riscos de infecção diminuem consideravelmente”, explica Dra. Fabianne.

O programa nacional de vacinação (PNI) realiza, entre os dias 01 e 29 de outubro de 2021, mais uma edição da Campanha Nacional de Multivacinação para crianças e adolescentes menores de 15 anos. Os objetivos da iniciativa são atualizar a caderneta vacinal na faixa etária e aumentar as coberturas no país, que chegaram a patamares semelhantes aos da década de 1980. O “Dia D” é 16 de outubro.

 

Vacinas para pacientes oncológicos

Recomendadas: para pacientes em tratamento quimioterápico, algumas vacinas são recomendadas como a da influenza, contra o vírus da gripe e a vacina contra o pneumococo para prevenção das doenças causadas pela bactéria Streptococcus pneumoniae, que pode causar pneumonia, otite, amigdalite e sinusite, além de trazer complicações ao paciente.

Não recomendadas: vacinas com microrganismos vivos têm o momento certo para serem aplicadas. Normalmente duas semanas antes do início da quimioterapia ou após três a seis meses do término do tratamento, dependendo do quadro clínico do paciente. Vacinas de vírus vivos são: BCG, Febre amarela, Poliomielite oral, Rotavírus, Varicela e Tríplice Viral (sarampo, caxumba e rubéola).


Compartilhe:

Webinar Efeitos tardios do tratamento oncológico pediátrico

Webinar abordará a importância do acompanhamento preventivo a longo prazo e a vigilância para o...

Diagnóstico Precoce

E se for câncer infantil? Orientações sobre os principais sintomas do câncer infantil.

Doação Premiada ajuda crianças com câncer

Veja o regulamento da Doação Premiada GRAACC