Procedimento intra-arterial é um dos utilizados para o tratamento do retinoblastoma, que consiste em injetar o medicamento diretamente na artéria que irriga a região ocular

 

Um dos grandes avanços no combate ao retinoblastoma (tipo raro de câncer que acomete os olhos na infância) é a quimioterapia intra-arterial (QTIA). O GRAACC é pioneiro na aplicação desta técnica no país. A QTIA, em conjunto com a quimioterapia sistêmica e as demais técnicas de tratamento local, reduz, em média, de 60% para 20% as necessidades de enucleação, que é a retirada do olho.

A estrutura completa e a experiência em oncologia pediátrica do GRAACC permitem que os casos de retinoblastoma sejam diagnosticados e tratados no próprio hospital, o qual contempla todos os exames e processos necessários, de forma individualizada, até a alta do paciente.

“Como todo câncer, quanto mais cedo for descoberto, maiores serão as chances de cura. Com estadiamento inicial e o tratamento intra-arterial, baixamos o índice de cirurgias oculares para 5%, que justamente são os casos em que o tumor se apresenta mais avançado. Em nosso serviço já são dez anos e mais de mil procedimentos realizados”, explica o Dr. José Roberto Fonseca, médico neurointervencionista do GRAACC.

O procedimento tem certa semelhança com o cateterismo cardíaco. Normalmente, em um acesso na virilha, um microcateter é introduzido e, por meio de micronavegação, ele é posicionado na artéria oftálmica do olho onde será injetada a medicação quimioterápica.

A média atual de procedimentos realizados no GRAACC é de 20 por mês.  “Por ser injetado direto no leito vascular onde está contido o tumor, a medicação atinge concentração 80 vezes maior que a quimioterapia sistêmica. Geralmente são suficientes de 3 a 5 sessões para a remissão do câncer”, ressalta Dr. José Roberto.

Retinoblastoma

Apesar de raro, é o tipo mais comum de câncer no olho, em crianças, independente de sexo, raça ou etnia. É formado na retina e pode aparecer em duas fases: em bebês e crianças até 2 anos ou em crianças com 5 a 6 anos. Raramente ocorrerá após essa idade. Cerca de 3 em cada 4 crianças com retinoblastoma têm um tumor em apenas um olho.

De acordo com dados do INCA, o retinoblastoma afeta uma a cada 20 mil crianças. Pode ser unilateral, quando está presente em apenas um olho, condição que ocorre em 70% dos casos. Os restantes são bilaterais. Pode ser hereditário, em cerca de 10% dos casos, ou não hereditário nos restantes.

Principais sinais

É sempre fundamental ressaltar que existem algumas condições clínicas que, apesar de apresentarem sintomas parecidos, não configuram casos de câncer. Porém, é importante ficar atento aos casos de:


Reflexo branco na pupila:
(popularmente conhecido como reflexo do olho de gato). Pode ser percebido quando o olho da criança aparece com um brilho branco diferente em fotos tiradas com flash e, também, por meio de um exame oftalmológico. É considerado um dos principais sinais de retinoblastoma.

Estrabismo: desvio ocular que pode acontecer por conta da fraqueza do músculo que controla o movimento do olho, sendo o retinoblastoma uma das raras causas.

Além desses dois sinais fique atento quanto a problemas de visão, dores nos olhos, vermelhidão da parte branca do olho, sangramento na parte anterior do olho e alterações de coloração da íris.


Compartilhe:

Humanização no tratamento do câncer infantil

Humanização para lidar com os pacientes.  As crianças do GRAACC,  referência em humanização hospitalar infantil, ...

Artista francês pinta capacete de Pipo Derani para ação em prol do nosso hospital

Um dos principais nomes do endurance mundial, piloto fecha parceria com o artista Jisbar e...

Saiba tudo sobre retinoblastoma

Quando diagnosticado em estágio inicial e tratado em centros especializados, as chances de cura da...