Miguel é brasileiro, tem 3 anos e mora no Japão desde os cinco meses de idade. As alegrias da rotina do menino no país do sol nascente incluem passeios com a família, visitas a zoológicos e aquários. Para tornar os dias mais divertidos, a família aproveita brincadeiras em parquinhos e corre sempre que possível. Fora do comum da rotina de outras crianças da idade dele tem o fato de que ele já superou uma das fases mais difíceis de sua vida: venceu um câncer. Filho de Larissa e do artilheiro do clube japonês Cerezo Osaka, Bruno, Miguel tinha outros planos para 2020. Estava se preparando para ser irmão mais velho.

A pandemia adiou o sonho da família de aumentar e transformou o medo do novo coronavírus em força para alcançar a cura da doença de Miguel.

Quando o menino surgiu com um inchaço na barriga e a pediatra japonesa falou em português que ele tinha um câncer. Larissa e Bruno não queriam entender.

Com a ajuda de um tradutor, veio a confirmação da doença pelos exames de sangue e a orientação dos demais especialistas de iniciar o tratamento imediatamente. Toda a angústia do diagnóstico, tiveram que tomar a decisão de fazer isso no país onde estavam. A dificuldade do idioma, ou enfrentar as limitações impostas pela pandemia para viajar ao Brasil, junto à família.

“Conversamos com um médico de nossa confiança, que nos disse que, diante da situação, a pandemia ficava em segundo plano. Seria melhor voltar para o Brasil e levar Miguel para ser tratado no Hospital do GRAACC. Queríamos a cura do nosso filho e confiamos que seria mesmo a melhor decisão.”, Conta Larissa.

Uma semana após a consulta com a pediatra, Miguel estava no Hospital do GRAACC refazendo os exames para a confirmação do diagnóstico e iniciando o tratamento com quimioterapia e cirurgia . A família alugou um apartamento em São Paulo, onde também ficaram os avós para apoiar o tratamento do pequeno.

Foram quatro meses, sendo que em três deles, o menino ficou sem andar e precisou usar sonda, porque não estava se alimentando. “Oncologistas, cirurgiões, equipe de enfermagem, residentes, nutricionistas, fisioterapeutas, cada um ali foi um anjo, trazendo amor, carinho, simpatia, e sendo o mais humano possível. Tudo o que queríamos de melhor, encontramos no GRAACC, que tem nossa profunda gratidão. Os dias foram difíceis no hospital, mas graças a eles, comemoramos a cada mês a cura do nosso pequeno, que cremos ser eterna”, se emociona Larissa.

Miguel teve alta do tratamento e já está de volta às arquibancadas no Japão, na maior torcida pelo pai. Além disso, a equipe médica que o atendeu no Hospital do GRAACC sempre realiza os exames do outro lado do mundo, mas encaminha-os para o acompanhamento com todo o cuidado que esta etapa do tratamento exige. Agora, consequentemente, a família faz cada passeio com ainda mais intensidade e alegria.


Compartilhe:

II Congresso Internacional de Oncologia Pediátrica do GRAACC

O II Congresso Internacional de Oncologia Pediátrica GRAACC, agendado para 05 a 07 de setembro...

Nosso hospital celebra 15 anos da Editora MOL

A Editora MOL completou 15 anos e ultrapassou a marca de R$ 50 milhões doados...

Hospital do GRAACC reinaugura UTI pediátrica

Acabamos de reinaugurar mais uma área de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de nosso hospital.

Congresso GRAACC reúne líderes Oncologia Pediátrica mundial

Grandes nomes internacionais da oncologia infantil estarão presentes em nosso Congresso Internacional de Oncologia Pediátrica.